19 de dezembro de 2011

O Poder transformador da Atitude


O mês de dezembro é a época do ano que simboliza o renascimento para uma nova vida através de uma transformação íntima e pessoal. Nessa época é comum que as pessoas reavaliem seus valores e façam uma autoanálise sobre condutas pretéritas, levando inevitavelmente a um auto-julgamento muito particular, onde a própria consciência do indivíduo lhe dita a sentença transformadora. Ainda - como fruto dessa reflexão - existe o anseio de se traçar novas metas e objetivos para o próximo ano. Assim, a pessoa entende que precisará transformar-se para cumprir os planos propostos.


Mas o que importa aqui refletirmos é o seguinte aspecto: será que existe mesmo no indivíduo um anseio profundo e genuíno por esta transformação? Será que a pessoa é capaz de adotar uma atitude pró ativa que a direcione para a realização de seus objetivos?


Muitas vezes elas querem ter suas vidas transformadas, mas são incapazes de sair de sua “zona de conforto”. Esperam pacientemente que mudanças ocorram vindas de fatores externos, como do chefe, do vizinho, da mulher, do marido, dos filhos, dos professores ou do governo. Enfim, esperam que o “outro” mude primeiro e elas mesmas ficam inertes, como se nada dependesse de uma atitude própria.


Temos que entender que, absolutamente ninguém ou nenhuma situação externa pode ser culpada pela nossa infelicidade, doença, miséria ou qualquer outra situação de fracasso ou declínio. Somos os responsáveis por nossa vida e temos o poder transformador em nossas mãos! Compete a nós adotarmos atitudes de ação e de empreendedorismo capaz de nos conduzir à transformação pessoal e à conquista de nossos objetivos. Precisamos parar de achar culpados por tudo aquilo de bom que não acontece em nossas vidas. Vamos começar algo novo, agir, traçar metas inteligentes, cumprir prazos, trabalhar com afinco, ter disciplina e reciclar nossos conhecimentos. Vamos avançar firmes na direção dos nossos planos, pois a transformação não acontece nem fora de nós e nem instantaneamente. Ela é interior e gradual, mas depende exclusivamente da nossa vontade e das nossas atitudes.


Jesus ao curar o doente do tanque de Betesda (João 5, 1-18), primeiro perguntou-lhe: “- Queres ser curado?”. Por que Jesus fez esta indagação, se sabia que o homem estava realmente enfermo? Simplesmente, porque Ele sabia que para a cura se operar era preciso, antes de tudo, que esse homem a desejasse ardentemente e tomasse uma atitude ativa capaz de conduzi-lo ao milagre da cura. Foi por essa razão que Jesus lhe disse em seguida: “-Levanta-te, toma o teu leito e anda”.


Imediatamente o homem foi curado, tomou o leito e andou. Simples assim. Basta ter fé, atitude e coragem. “Toma o teu leito” significa o mesmo que “toma o teu problema e segue em frente”. Jesus não permitiu que o homem se lamuriasse e tivesse autocomiseração. Jesus foi taxativo e ordenou-lhe que seguisse em frente, com o leito em suas mãos.


Assim devemos proceder diante da vida. Qualquer que seja o problema, a doença, a dificuldade ou o desafio vamos pegar o “nosso leito” e seguir em frente com alegria, coragem, determinação e fé. Vamos incorporar atitudes dignas de Filhos de Deus e caminhar sempre na direção dos nossos objetivos.


Desejo que todos tenham um Natal transformador e que saibam buscar a renovação e a alegria no seu interior, pois como disse Jesus: “O Reino de Deus está dentro de vós”.


Autor: Andréa Maria Eberhardt Munhoz

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Obrigado por participar!